segunda-feira, 29 de março de 2010

Da arte de se importar com desconhecidos.


Domingo, enquanto eu e minha filha nos divertíamos, fazendo a foto do avental quadrado na nossa cozinha, ouvimos um rumor, um som assustador e furioso lá fora. Corri à janela da sala, que fica bem pertinho da rua e me apavorei: um bando de gente,uma turba de meninos e meninas, armados com paus e pedras cercaram um ônibus que parou no ponto em frente ao meu prédio. O motivo? Queriam espancar um torcedor de outro time que estava dentro do tal ônibus. Sem pensar muito, abri a boca e dela saiu um vozeirão que me espantou tamanha a potência e energia assertiva que teve: "parem agora ou vou chamar a polícia!". Minha voz, que é pequena e quase infantil... E o incrível aconteceu: eles pararam, olharam para mim e saíram da frente do ônibus, que conseguiu partir. Naquela hora gelei, pensei que eles iriam atirar coisas em mim ou nas nossas janelas, mas eles simplesmente foram embora. O que explica isso? Não sei, mas passado o medão fiquei com aquela sensação de triunfo, de quando algo dá muito certo! Tá, tive sorte, tudo poderia ter acabado muito mal, mas felizmente, não acabou. Posso continuar me importando com desconhecidos.

3 comentários:

  1. Além da boa cidadã e corajosa você foi "ativa", palavra que uso sempre que uma pessoa não se omite dos acontecimentos ao seu redor, não se omite de sentir compaixão =) Abraços. Que bom que sua voz interior foi poderosa, com certeza foi isso que dispersou o grupo.

    ResponderExcluir
  2. Sheila e "Segredos", que amores são vocês...me IMPOR sempre foi algo difícil, ainda bem que deu certo quando isso era crucial. Agora, ativa, no sentido que a Sheila fala, de fato, acho que tento ser.
    Um abraço para vocês

    ResponderExcluir